domingo, 13 de dezembro de 2009

"Esse vestido não te fica nada bem!"


Será que vai parecer mal? E se eles não concordarem comigo? E se parecer parva e ninguém tiver a mesma opinião que eu?

Tenho visto/vivido situações evidentes em que a nossa opinião "muda" porque apareceu X, ou o Y discorda. Quantas vezes pensamos "não concordo nada com o que ele está a dizer, mas vou ficar é caladinha para não ser a única do contra"? O ser humano tem a capacidade de adaptação social por alguma razão, mas deixar de exprimir a minha opinião verdadeira para "encaixar" no grupo/situação, faz de mim um ser humano melhor adaptado? Talvez... Conseguir modificar aquilo que digo em função do que julgo que os outros querem ouvir pode ser uma boa estratégia para mais facilmente ser elemento pertencente ao meio envolvente. Mas até que ponto estou disposta a "modificar-me" (pelo menos em voz alta) para me adaptar!? É que vai uma grande diferença entre não dizer à amiga nova que o vestido não lhe fica tão bem como pensa e concordar com uma posição exposta numa conversa quando a nossa opinião é completamente oposta.

Não tem sido sempre fácil situar-me nesse meio termo. Não vou contra os meus príncipios, doa a quem doer. Mas às vezes a coragem para gritá-los a plenos pulmões falha. Não nego a necessidade de aceitação e por vezes "ouvir e não dizer nada" parece uma boa solução. Contudo, custa-me tanto (tanto mesmo!) ter algo para dizer e não o fazer... Sinto que me apago um bocadinho naquele momento, que não estou a ser honesta...

Ai, ai... onde é que vai o "pouco me importa o que os outros pensam" (isto dá tema para um outro post).... ?

1 comentário:

Lau disse...

Percebo-te e também sou um bocado assim.
Hás vezes apetece-me mostrar que eu também tenho opinião e que nem sempre concordo com toda a gente, mas.........
Pior mesmo só aquelas pessoas que falam para quem quer ouvir, como se fossem donos da razão. E eles é que sabem e ponto final. Grrr...
Enfim..

(respondi ao teu comentário no meu blog. ;) obrigada)